terça-feira, 22 de março de 2016

Em 10 anos, taxa de homicídios no Ceará cresceu 166,5%, diz Ipea

Fortaleza foi a 2ª região mais violenta do país em 2014, mostra estudo.
Número de homicídios em 2014 era de 4.620.


O Ceará ocupou a segunda colocação no Brasil na taxa de homicídios em 2014, quando foram registradas 52,2 mortes por grupo de 100 mil habitantes. O estado perdeu apenas para Alagoas, onde a taxa de homicídios alcançou 66 homicídios por 100 mil habitantes. Em 10 anos – de 2004 a 2014 – houve um crescimento de 166,5% na taxa de homicídios número de homicídios registrados no Ceará. Em 2004, o índice cearense era de 19,6%. No Brasil, a taxa de homicídios cresceu 21,9%.
Considerando os dois últimos anos abordados pela pesquisa, o Ceará registrou 4.465 homicídios em 2013 e 4.620 em 2014, o que representa crescimento de 3,5% em um ano. Os dados fazem parte do Atlas da Violência 2016, divulgado nesta terça-feira (21) pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP).
A secretaria da Segurança ressaltou, em nota,  que, com a implantação do Programa Em Defesa da Vida, em janeiro de 2014, houve uma quebra na tendência de alta que se apresentava entre 2004 e 2013. ''Nesse período, conforme dados da própria SSPDS a média de crescimento anual era de 14,5%, caindo para 1% em 2014 comparado a 2013. Em 2015, a redução chegou a -9,5%, superando a meta estadual de queda de - 6% e a nacional de -5%. Neste ano, a diminuição vem se mantendo e no primeiro bimestre atingiu -18,6%. A mudança nessa tendência também é registrada no estudo do Ipea e FBSP. A nota técnica aponta ainda que o Estado do Ceará não possui nenhuma microrregião entre as 20 com maior percentual de crescimento na taxa de homicídios entre 2004 e 2014'', diz a SSPDS.

, houve aumento de 5% nos homicídios de jovens na faixa etária de 15 a 29 anos no Estado.

Considerando a taxa do 100 mil habitantes, em 10 anos o Ceará apresentou variação de 227,9% e de 5,3% no período de 2013 a 2014.  Em 2004, o Estado apresentava 35,4 mortes de jovens por grupo de 100 mil habitantes, taxa que chegou a 117,4, em 2014, quase o dobro da taxa registrada pelo Brasil, de 61,0. Em 10 anos, a taxa homicídios no Brasil apresentou crescimento de 15,6% e nos dois últimos anos da pesquisa, 4,4%.
De acordo com os pesquisadores, o pico dos homicídios entre a população masculina ocorre aos 21 anos. A pesquisa também mostra que a proporção de mortes para os indivíduos que possuem menos do que oito anos de estudo, em relação àqueles com grau de instrução igual ou superior a esse limite, as chances de vitimização para os indivíduos com 21 anos de idade e pertencentes ao primeiro grupo são 5,4 vezes maiores do que os do segundo grupo.
“Seria possível afirmar que a educação é um escudo contra os homicídios […]. As chances de um indivíduo com até sete anos de estudo sofrer homicídio no Brasil são 15,9 vezes maiores do que as de alguém que ingressou no ensino superior, o que demonstra que a educação é um verdadeiro escudo contra os homicídios”, alerta o documento.
Secretaria
Em 2015, o Ceará reduziu o número de crimes violentos letais e intencionais (CVLI) em 9,5%. Na comparação com 2014, foram 420 mortes a menos, entre homicídios, latrocínios e lesões corporais seguidas de morte, de acordo com inforamções divulgadas em janeiro de 2016 pela Secretária da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Essa redução ultrapassou a meta de 6% que o estado tinha estabelecido.

Em números absolutos, foram registrados 4.019 casos de CVLI, em 2015; em 2014, foram 4.439. Essa redução também atingiu a meta de 5% do Programa Nacional de Redução de Homicídios, conforme o Governo do Estado.
A SSPDS afirma que mantém ações contínuas para consolidar a redução da criminalidade, entre elas, a ampliação do policiamento especializado no Interior, com novas unidades do Batalhão de Policiamento de Rondas e Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio), Batalhão de Divisas e Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer). A reestruturação do trabalho desenvolvido pelo Comando de Policiamento Comunitário (CPCom - Ronda), por meio da atuação nas Unidades Integradas de Segurança (Unisegs), cuja primeira foi inaugurada no último dia 5 deste mês, no bairro Vicente Pinzon, em Fortaleza e que prevê ainda a ampliação do número de delegacias funcionando durante 24 horas.

A secretaria destaca ainda o trabalho realizado dentro do programa Pacto por um Ceará Pacífico, coordenado pelo Governo do Estado e que congrega parcerias com prefeituras, diversas secretarias estaduais e municipais, os demais poderes públicos, instituições não-governamentais e privadas, entre outros "Atores importantes para a prevenção, bem como para maior efetividade das ações implementadas, na busca por um Ceará mais seguro e com mais oportunidades para toda a população", segundo a SSPDS.
 
fonte:G1


Nenhum comentário:

Postar um comentário