sábado, 9 de novembro de 2013

Caso Liana Friedenbach, um dos mais bárbaros da história do País, completa dez anos.

No início de novembro de 2003, o casal de namorados Liana Friedenbach, de 16 anos, e Felipe Caffé, de 19, foram surpreendidos por dois criminosos na região metropolitana de São Paulo. O casal foi vendado e levado para um cativeiro na área*Do R7, com Rede RecordJovem foi estuprada e assassinada por criminosos quando acampava; namorado também morreu
No início de novembro de 2003, o casal de namorados Liana Friedenbach, de 16 anos, e Felipe Caffé, de 19, foram surpreendidos por dois criminosos na região metropolitana de São Paulo. O casal foi vendado e levado para um cativeiro na área
Liana não contou para a família que, naquele fim de semana, acamparia com Felipe. Disse que viajaria com um grupo de amigos do movimento juvenil do qual participavaLiana não contou para a família que, naquele fim de semana, acamparia com Felipe. Disse que viajaria com um grupo de amigos do movimento juvenil do qual participavaO casal estava junto havia pouco tempo. Eles tinham se conhecido na escola onde estudavam 
Os dois resolveram acampar em um sítio abandonado na zona rural de Embu-Guaçu, a 36 km do centro da capital paulista
Um dos homens que abordou o casal era Roberto Cardoso, o Champinha. Na época com 16 anos, ele foi apontado como líder do bandoNo cativeiro, Liana foi mantida em um quarto e Felipe, em outro. A adolescente foi violentada várias vezes por Champinha e outros criminosos. Para praticar o abuso, eles se revezavam
reocupado com a filha, Ari Friedenbach ligou para uma amiga dela, que acabou revelando a verdade. Dois dias depois de Liana viajar, no domingo à noite, o pai procurou a polícia

Felipe foi assassinado por um dos criminosos, longe da namorada, com um tiro na nuca

Dias depois, Champinha tirou Liana do cativeiro e levou a adolescente para um matagal e a atingiu com uma faca. Assim que ela caiu  no chão, ele desferiu vários golpes, chegando inclusive a causar um traumatismo craniano na vítimaBuscas foram realizadas na área na tentativa de localizar o casal. A polícia chegou a um dos envolvidos. Posteriormente, todos os outros acabaram detidos, inclusive Champinha. Aos poucos, os detalhes foram sendo reveladosBuscas foram realizadas na área na tentativa de localizar o casal. A polícia chegou a um dos envolvidos. Posteriormente, todos os outros acabaram detidos, inclusive Champinha. Aos poucos, os detalhes foram sendo revelados.Primeiro, eles indicam onde estava o corpo de Felipe

Horas mais tarde, o corpo da jovem também foi encontrado
Desde pequena, Liana sempre foi muito apegada ao paiEm entrevista à Rede Record, que foi ao ar em abril deste ano, Ari Friedenbach declarou que achava imperdoável o que tinha acontecido.— Agradeço de ela [Liana] não ter sobrevivido, porque acho que não teria conserto. Não há cabeça que dê para consertar depois de passar pelo que ela deve ter passadoEm entrevista à Rede Record, que foi ao ar em abril deste ano, Ari Friedenbach declarou que achava imperdoável o que tinha acontecido.

— Agradeço de ela [Liana] não ter sobrevivido, porque acho que não teria conserto. Não há cabeça que dê para consertar depois de passar pelo que ela deve ter passado
Já Lenice, mãe de Felipe, disse na ocasião à Rede Record que o filho era muito especial.

— Tenho quatro filhos e ele se destacava entre os quatro na amorosidade. Ele era muito atencioso. O Felipe era muito especial
Além de Champinha, outros quatro homens foram responsabilizados pelo crime. Dois deles tiveram penas superiores a 100 anos de prisão
Por ter na época 16 anos, Champinha não foi condenado pela Justiça como os demais. A ele, foi aplicada a penalidade máxima prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei 8.069/1990, que determina, em caso de atos infracionais graves, a internação de no máximo três anos em unidade específica para abrigar menores de 18 anosPor ter na época 16 anos, Champinha não foi condenado pela Justiça como os demais. A ele, foi aplicada a penalidade máxima prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei 8.069/1990, que determina, em caso de atos infracionais graves, a internação de no máximo três anos em unidade específica para abrigar menores de 18 anosApós o período, o Ministério Público apresentou uma ação de interdição civil, acolhida pela Justiça. Laudo psiquiátrico apontou que Roberto Cardoso tinha transtornos mentais graves. Por esta razão, ele não foi colocado em liberdade. Champinha está internado em uma UES (Unidade Experimental de Saúde), na zona norte de São Paulo. Em abril deste ano, a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão em São Paulo protocolou uma ação civil pública solicitando a extinção da unidade. Um das alegações é de que não se trata de uma unidade de saúde, mas de contenção

r7.Foto: Reprodução/Rede Record

Nenhum comentário:

Postar um comentário